VISTA HOLCIM 1

Em acordo entre a empresa Holcim e a Câmara Municipal de Barroso, a cimenteira se comprometeu à ir a plenário e se pronunciar com relação à contaminação de ovos em Barroso. A denúncia foi apontada por uma matéria publicada no site incineradornao.net e levada à Câmara pelo vereador Fernando Terra (PP). A reunião com presença da Holcim para esclarecimentos sobre o caso está programada para acontecer no dia 09 de outubro, às 18h.
O vereador Fernando Terra deu entrada ao requerimento durante a reunião ordinária realizada no dia 04 de setembro, no plenário da Câmara Municipal de Barroso, onde pediu que um convite fosse enviado à Holcim Barroso para se manifestar a respeito da pesquisa intitulada “Contaminação de ovos de galinha com dioxinas, furanos e PCB’s em Barroso, Minas Gerais”.

ENTENDA O CASO
A matéria publicada expõe uma análise feita em ovos de galinha do município, nos quais, segundo a pesquisa, foram encontrados altos níveis de contaminação dioxinas e PCBs, substâncias que podem provocar graves danos à saúde humana e ao meio ambiente, pois as mesmas fazem parte do grupo de poluentes orgânicos persistentes (POP`s). As contaminações POP´s são de produção não-intencional, porque se formam como sub-produtos involuntários em certos processos industriais e de combustão.
Ainda de acordo com o material publicado na internet, os ovos de galinha, colhidos em um galinheiro no centro da cidade em maio deste ano, foram escolhidos para análise por serem um elemento comum da dieta alimentar e porque seu conteúdo gorduroso é apropriado para se fazer o monitoramento de contaminantes químicos solúveis em gordura, como os POP`s de produção não-intencional.
As galinhas provedoras destes ovos vivem soltas no galinheiro com chão de terra, se alimentam de milho, verduras, insetos e outros organismos. Isto, de acordo com o post, faz com que os ovos sejam um bio-indicador ideal e útil para analisar a contaminação dos alimentos e do meio ambiente.
A matéria ainda ressalta que infelizmente no Brasil este tipo de análise quase nunca é realizada, apesar de ser um método simples e barato de se obter dados concretos sobre a contaminação de POP`s. “O padrão de contaminação detectada nos ovos de Barroso está relacionado diretamente à incineração na cidade, o qual está profundamente sendo absorvido pela cadeia alimentar. É urgentemente necessário conseguir mais informações sobre as emissões de metais pesados, p.ex. chumbo, mercúrio, cádmio,etc. aos quais os barrosenses também estão expostos.”, declara o toxicólogo holândes Martin van Berg, da Universidade de Utreque.
O site, da qual a barrosense que reside na Holanda, vice-coordenadora da Organização de Desenvolvimento Sustentável e Comunitário, ODESC, Valéria Nacif, faz parte, também faz duras acusações à Holcim e à Prefeitura Municipal. “Há quase vinte anos a cimenteira multinacional suíça Holcim S.A. Barroso vem incinerando resíduos perigosos no seu forno de cimento. Infelizmente esta lista não é completa porque há mais de dez anos a cimenteira e a Prefeitura Municipal de Barroso se recusam a apresentar uma lista completa dos resíduos incinerados em Barroso”, trecho da matéria.

HOLCIM RESPONDE
A Holcim emitiu uma nota oficial na manhã do dia 10 de setembro. De acordo com o documento, a empresa opera suas plantas dentro dos requisitos da Legislação Brasileira quanto a emissões de gases e pó, por meio de licenças concedidas pelos órgãos de meio ambiente de cada estado nos quais atua.
Ainda ressalta que com as operações de coprocessamento o procedimento é o mesmo, sendo que a empresa possui licenças ambientais para essas atividades. A Holcim também esclarece na nota que realiza atividades de coprocessamento e não de incineração e que está apta a dar qualquer explicação sobre a diferença entre as atividades.
A empresa ainda abre as portas à comunidade e a qualquer outro esclarecimento sobre os processos de licenciamento das atividades de produção de cimento e de coprocessamento, que segundo a Holcim, são de domínio público e podem ser consultados. No caso da unidade de Barroso, na Superintendência Regional de Regularização Ambiental da Zona da Mata, Supram – ZM, localizada em Ubá, MG.

3 thoughts on “HOLCIM NA CÂMARA

  1. Elton

    Vão cair no conto de fadas de novo.

    1. Juca Ilhares

      Sr. Elton qual é o conto verdadeiro então?
      O grande problema é que quem acusa só não se embasa em princípios técnicos (normas). Se a empresa atende todos requisitos legais estipulados pela legislação vigente não há o que falar. Se não atende multa neles e paralisação de suas atividades.
      Agora se o assunto é novo e ninguém tem domínio… têm que se levar essa discussão a que elabora e efetiva as leis nesse pais.

  2. Bruna

    Olá! Qual foi o desfecho desse caso?
    A Holcim reconheceu a emissão de dioxinas? A Câmara de Barroso impôs alguma multa ou sanção à cimenteira?
    Eles implementaram algum sistema de tratamento de poluentes, como precipitadores eletrostáticos ou filtros de manga para minimizar a geração de dioxinas?

Leave a Comment