A direção da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) desistiu de implantar uma usina de incineração de lixo na Região do Alto Tietê. A informação é do prefeito de Mogi das Cruzes, Marco Aurélio Bertaiolli (PSD), que a teria recebido diretamente da presidente da empresa, Dilma Pena, no decorrer desta semana.

Com a decisão já sacramentada, os municípios que iriam integrar o consórcio para implantação e operação da usina – Mogi das Cruzes, Arujá, Biritiba Mirim, Guararema e Salesópolis – terão de encontrar uma outra alternativa para tratamento do lixo urbano produzido em seus territórios, que continua sendo levado para aterros sanitários, solução considerada ultrapassada em tempos de preocupação com o meio ambiente.

Pelo menos três motivos, segundo apurou este jornal, teriam contribuído para que a empresa decidisse tomar tal decisão.

A principal delas seria a inviabilidade econômico-financeira do projeto. Segundo o prefeito, após os primeiros levantamentos técnicos, a Sabesp teria chegado à conclusão de que não conseguiria “fechar a conta” para que a operacionalização do futuro aterro viesse a compensar os investimentos necessários à sua instalação e manutenção.

Durante os levantamentos preliminares, a Sabesp também teria concluído que haveria muita dificuldade para aplicação em São Paulo, em especial na Região do Alto Tietê, da tecnologia de incineração do lixo urbano, atualmente utilizada em localidades como Japão e Paris. (Darwin Valente)